segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Prisões de Areia




Não assisto novela há muitos anos, e não tenho o menor interesse em voltar a assistir, principalmente devido a inversão de valores promovida pela televisão brasileira, que erotiza a população, banaliza o sexo, a pornografia e a nudez sem nenhum propósito de dramaturgia. Há ainda um processo de “Heroização” do “bandido”, ou seja, o “mocinho” tem perdido a vez, sutilmente ao longo de anos e a lição é que o mal sempre leva vantagem. Começando por um conflito mental de culpa e remorso inicialmente, hoje o bandido tem código de ética, é querido pela população, representado por “galãs e sexy simbols”.
Justificativas à parte, a novela Mulheres de areia, da Rede Globo, exibida no ano de 1993, está sendo reexibida no canal VIVA. A trama relata a rivalidade entre duas irmãs gêmeas, Ruth e Raquel, interpretadas por Glória pires, como protagonista.
Marujo, interpretado por Ricardo Blat, um personagem coadjuvante, mas apesar de secundário é bem interessante. é um pescador que teve seu braço amputado após um ataque de tubarão e passa toda a novela, ou melhor, toda a sua vida remoendo esse fato, vivendo em função de se vingar do tubarão. Outros personagens tentam desestimular que o Marujo, persista em seu propósito e vá viver a vida, mesmo porque, como ele saberia qual o tubarão que o atacou?
Na vida, seremos atacados por todo lado, somos como “ovelhas no meio de lobos”, cabendo a nós sermos “simples como as pombas e prudentes como as serpentes” e seguir adiante. Mediante o perigo, a pomba sobe para o galho mais alto e ponto final, não revida ou contra-ataca.
Sejamos gratos por termos sobrevivido aos tubarões, lobos, cobras ou seja lá quais foram os arquétipos que nos atacaram. Vamos em frente, porque há muito que ser vivido e no final das contas, já viram o comportamento de um cachorro correndo atrás de roda de carro?
O carro pára e o cachorro fica sem saber o que fazer e vai embora.


Viva a vida!!!

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013


  • FORÇAS ARMADAS BRASILEIRAS NA TRAGÉDIA DE SANTA MARIA‏

Repassando. Meus cumprimentos. Evandro


Essa participação, é claro nem sequer foi citada pela mídia escrita e televisada. Pelo menos, eu não cheguei a perceber.     




As Forças Armadas sempre cumprindo as missões que lhes são confiadas. Talvez pela eficácia constante sejam temidas por aqueles, inclusive no governo,  que costumam colocar interesses pessoais e/ou de grupos à frente dos seus deveres cívicos e funcionais. Compare o reconhecimento oficial que lhes é dado em países desenvolvidos, como Estados Unidos, por exemplo, e veja o contraste! Aqui, as autoridades federais só se lembram da insidiosa falsidade de caracterizar a existência de militares violadores dos direitos humanos!
====================================================================




Ação militar, como se houvesse um grande atentado

                                                                     
A imagem abaixo mostra feridos do incêndio da Boate Kiss, em Santa Maria (RS), chegando a Porto Alegre em helicópteros da Força Aérea Brasileira para serem atendidos nos hospitais da região. A FAB disponibilizou um avião C-105 Amazonas, um C-95 Bandeirante, um C-98 Caravan e dois helicópteros H-60 Blackhawk nas operações de ajuda às vítimas de Santa Maria. Foto: Camila Domingues
      http://65.55.183.28/att/GetInline.aspx?messageid=10ce4111-70c7-11e2-8289-00215ad965a6&attindex=0&cp=-1&attdepth=0&imgsrc=cid:2C54EEE47D654F988400392CCE3C91BA%40Desktop&cid=1ccfa2521238d443&shared=1&hm__login=dr.carlossilva&hm__domain=hotmail.com&ip=10.215.184.8&d=d4841&mf=0&hm__ts=Thu%2c%2007%20Feb%202013%2016:38:08%20GMT&st=dr.carlossilva&hm__ha=01_919f0f802f977b08be0346df936606194489a5f1d4f641509f814cf8fd899198&oneredir=1                             
Cenário: Roberto Godoy
A mobilização do Ministério da Defesa no triste episódio de Santa Maria (RS) chamou atenção pela organização, agilidade e prontidão das Forças Armadas em situações de crise. O jornalista Roberto Godoy, de O Estado de S. Paulo, fez uma analogia corretíssima sobre a ação de nossas forças militares nesta tragédia
Houve um atentado em Santa Maria e a reação da Defesa foi rápida, ampla e voltada para o socorro às vítimas. Helicópteros preparados para o transporte de feridos, times especializados e veículos rápidos estavam prontos para a ação bem depressa, já na madrugada de domingo.
Os primeiros grupos de soldados da 3.ª Divisão de Exército chegaram à boate Kiss quando o prédio ainda estava fumegante. Poderia ter sido também um cenário de batalha em área urbana.
O resgate, o atendimento e a remoção dos feridos estão seguindo procedimentos militares, próprios de crises. Os resultados foram bons. A intervenção dos médicos - 64 deles só da Aeronáutica - especialistas no atendimento a queimados, traumatologistas e intensivistas, com suporte de seus times de enfermagem, fez a diferença entre a possibilidade de vida e a morte imediata para os 75 sobreviventes que ontem ainda corriam sério risco, internados em UTIs. A ponte aérea entre Santa Maria e Porto Alegre - os Blackhawks desciam no Parque Farroupilha, ao lado de dois grandes hospitais da capital - foi combinada com voos mais longos, porém imediatos.
Uma frota de aviões, cujas tripulações, na primeira fase da crise, foram mantidas em regime de alerta, permaneceu pronta para decolar a qualquer momento. O esquema acionou recursos médicos na retaguarda, e integrou equipes dos Ministérios da Saúde e Integração Social. Uma espécie de centro C3 (Comando, Controle, Comunicações) coordena a operação com 1.300 militares.
O coronel aviador Jefson Borges, coordenador das operações aéreas em Santa Maria (RS), em entrevista à Força Aérea FM, afirmou nesta terça-feira (29) que a aeronave Amazonas 65, transformada em UTI para atendimento das vítimas do incêndio que matou 231 pessoas no último dia 27, é a maior UTI aérea já montada no Brasil. Segundo Borges, a aeronave possui sete leitos e que para cada um dos pacientes foi mobilizado um médico e dois enfermeiros. “Ao todo temos 21 profissionais de saúde trabalhando simultaneamente na recuperação dos feridos

A Força Aérea Brasileira divulgou mais ações de auxílio às vítimas do incêndio ocorrido em Santa Maria (RS). Ontem (28) um avião C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira decolou da Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), com equipamen...tos necessários para aumentar o número de leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Conceição, em Porto Alegre (RS).

A carga é de 15 monitores de sinais vitais, 10 respiradores e 10 sistemas duplos com monitor e respirador. Estes equipamentos foram emprestados pela rede pública municipal e estadual do Rio de Janeiro após coordenação do Ministério da Saúde .

No final da tarde desta segunda-feira (28) o Exército Brasileiro informou ter mobilizado 377 militares para a cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, local do incêndio que vitimou 231 pessoas na madrugada de domingo (27). Mais cedo, o ...Comando da Aeronáutica informou por meio de nota que cerca de mil militares da Força Aérea Brasileira (FAB) participam da missão, sendo 64 médicos e enfermeiros, além de 4 psicólogos.

Entre as vítimas da tragédia foram identificados 13 de militares que atuavam nas duas Forças: oito no Exército e cinco na FAB.
.............................................................................................................................................................................................................................................................


Só para confirmar . Qual dos distintos leitores tomou conhecimento das atividades acima mencionadas pela imprensa falada, escrita ou televisada ?

qual a manifestação da cidadã presidenta com relação ao apoio das forças armadas na tragédia de santa maria ? 

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Tal como a lua



Certo dia, um homem aflito em seu coração, resolveu procurar ajuda e dispôs-se a recorrer a Deus. Este homem lembrou-se de um ancião que havia visto, que sempre falava de Deus a todos a quem encontrava, mas chegando na casa deste, pela manhã, bem cedo, não o encontrou. Aos primeiros raios do sol, avistou na porta da choupana de madeira, um recado escrito com brasa, num pedaço de couro curtido:
“Fui encontrar com Deus, quem também assim o desejar, siga sempre na direção da luz, para onde quer que esteja.”
 Avistou ainda, na parede da varanda, outro recado, próximo a uma mesa, com uma cadeira e sobre esta, um livro. Neste couro estava escrito:
“Esta é a palavra de Deus. Consultem-na sempre que precisar e voltem para ler e meditar até que a palavra esteja em vocês, em palavras e atitudes.”
O homem leu rapidamente a página que estava marcada por uma fita, percebendo que estava sublinhada a seguinte frase:
“Entrega teu caminho ao Senhor, confia Nele e tudo o mais Ele o fará.”
Percorreu com os olhos o texto, onde também estava escrito, saltando-lhe à vista:
” tua justiça brilhará como o sol ao meio dia.”
Tal homem queria receber tudo o que julgava merecer e ter vitória contra seus adversários.
Olhou ao redor, sem saber para onde ir, retirou um significado de “seguir sempre na direção da luz” e de “justiça como o sol”, olhou para o sol nascente, tornado rosadas as nuvens, irradiando seus raios de calor, naquela manhã fria e resolveu dirigir-se ao rumo poente.
Apreciou o jardim, com margaridas, flores de maio, árvores frutíferas, regadas pelo orvalho e sentindo sede, posta a longa caminhada feita e por fazer. Avistou o poço artesiano, um balde e uma corda e mais um recado escrito em couro:
“Quem beber dessa água, nunca mais terá sede.”
Jesus Cristo
Bebeu o quanto pode daquela água fresca, limpa e cristalina, lavou o rosto, molhou o lenço que pôs sobre a cabeça e seguiu rumo a oeste.
Tendo se posto  a caminhar, admirou sua sombra e  apercebeu-se de quanto estava comprida e orientando-o para onde seguir. À medida que as horas se passaram, notou que ela diminuía e perdia sua companheira de jornada. Ao meio dia, pisava sobre ela tão somente e meia hora depois, tinha o sol por direção  a frente aos seus olhos e deixara sua sombra para trás.
Já sentindo enorme sede e indispôs-se com o tal Jesus Cristo, o tal mentiroso, que afirmara sobre aquela fonte mágica. Decidiu tomar satisfações e seguia obstinado na direção do poente. Observando a sombra dos demais, lembrou-se de olhar para a sua, que o seguia por onde quer que fosse e percebeu também que ela voltara a crescer e deu-se conta de que o sol já se ocultava atrás dos montes distantes.
Ao fim do dia, sedento, desolado, ao pedir água num casebre, recebeu a mais que o que pedira: um pão, juntamente com a frase:
_ Irmão, você precisa é de Jesus, ele é o pão da vida, quem o encontra, jamais sentirá  fome.
Indignou-se:
_ Eu venho o dia inteiro atrás desse Jesus, mentiroso, safado, estive na casa dele, bebi de sua fonte e estou sedento como um camelo. Desabafou seus problemas, sua indignação e o jovem interessou-se logo em saber onde Jesus morava.
Esclarecidos os fatos, o rapaz sentou-se com o  homem andarilho, orou e explicou:
Jesus é a luz do mundo, suas palavras são luz para o caminho, são a verdade e a vida, quem anda com Ele, deixa para trás seu passado, suas memórias que o assombram e perturbam, tornando-se nova criatura. Aqueles que o perseguem, em breve não mais estarão em seu caminho, aos poucos, os procurarás e não os achará. Seus inimigos estarão sob a planta dos seus pés, pois isso é promessa divina. Siga em frente e não olhe para trás, abandone seu passado, pois em Cristo Jesus, tudo se faz novo.
Neste momento, o andarilho já estava aos prantos, pois sentia o amor de Deus falando com ele através daquelas palavras e descobriu que Este Deus, era o bem mais precioso podia possuir.
Lembrou-se de sua sombra à sua frente, mostrando a Ele que para que sua Justiça seja feita, é preciso que a sombra diminua, a partir da luz sobre a sua cabeça, entendeu que a partir disso, quem olha para luz, não tem mais sombras ou não mais as persegue e decidiu que esta era a nova vida que desejava.
Resolver caminhar e por toda a noite, tendo por companhia a lua e decidiu que como tal, repartiria da luz que lhe fora concedida. Ao amanhecer chegava de volta ao jardim, de onde iniciara sua jornada e entrou na choupana onde pôde repousar o corpo.
Ao despertar, apanhou a bíblia de sobre a mesa e pôs-se a ler de tal forma que não interrompia sua leitura para coisa alguma.
Após três dias de leitura, tornou-se insuportável sua fome, colheu frutas no quintal, sentou-se para comer e foi surpreendido por um grupo de peregrinos, ansiosos por cobri-lo de perguntas. Respondeu a estes, não com suas palavras, mas com tudo o que acabara de aprender. Aquelas palavras jorravam como água da fonte, a partir de sua boca. Ao perceber a felicidade e contentamento daquele grupo, que já se despedia, entendeu então, que era o momento de retirar os recados da porta e da parede.
Fazendo isso, apercebeu-se que no verso do couro, havia um calendário judaico, onde estava marcado o mês de Nissan e a Lua Nova.
Carlos Marcelo Cruz Silva – 08 Jul 2012 – Texto inspirado pelo Espírito Santo

quinta-feira, 26 de abril de 2012

São pessoas como o Wagner Moura que me faz acreditar em um mundo melhor.





Palavras do ator Wagner Moura sobre o Pânico na TV, em carta aberta, divulgada no globo.com:



“Quando estava saindo da cerimônia de entrega do prêmio APCA, há duas semanas em São Paulo, fui abordado por um rapaz meio abobalhado. Ele disse que me amava, chegou a me dar um beijo no rosto e pediu uma entrevista para seu programa de TV no interior. Mesmo estando com o táxi de porta aberta me esperando, achei que seria rude sair andando e negar a entrevista, que de alguma forma poderia ajudar o cara, sei lá, eu sou da época da gentileza, do muito obrigado e do por favor, acredito no ser humano e ainda sou canceriano e baiano, ou seja, um babaca total. Ele me perguntou uma ou duas bobagens, e eu respondi, quando, de repente, apareceu outro apresentador do programa com a mão melecada de gel, passou na minha cabeça e ficou olhando para a câmera rindo. Foi tão surreal que no começo eu não acreditei, depois fui percebendo que estava fazendo parte de um programa de TV, desses que sacaneiam as pessoas. Na hora eu pensei, como qualquer homem que sofre uma agressão, em enfiar a porrada no garoto, mas imediatamente entendi que era isso mesmo que ele queria, e aí bateu uma profunda tristeza com a condição humana, e tudo que consegui foi suspirar algo tipo “que coisa horrível” (o horror, o horror), virar as costas e entrar no carro. Mesmo assim fui perseguido por eles. Não satisfeito, o rapaz abriu a porta do táxi depois que eu entrei, eu tentei fechar de novo, e ele colocou a perna, uma coisa horrorosa, violenta mesmo. Tive vontade de dizer: cara, cê tá louco, me respeita, eu sou um pai de família! Mas fiquei quieto, tipo assalto, em que reagir é pior.
” O que vai na cabeça de um sujeito que tem como profissão jogar meleca nos outros? É a espetacularização da babaquice ”
O táxi foi embora. No caminho, eu pensava no fundo do poço em que chegamos. Meu Deus, será que alguém realmente acha que jogar meleca nos outros é engraçado? Qual será o próximo passo? Tacar cocô nas pessoas? Atingir os incautos com pedaços de pau para o deleite sorridente do telespectador? Compartilho minha indignação porque sei que ela diz respeito a muitos; pessoas públicas ou anônimas, que não compactuam com esse circo de horrores que faz, por exemplo, com que uma emissora de TV passe o dia INTEIRO mostrando imagens da menina Isabella. Estamos nos bestializando, nos idiotizando. O que vai na cabeça de um sujeito que tem como profissão jogar meleca nos outros? É a espetacularização da babaquice. Amigos, a mediocridade é amiga da barbárie! E a coisa tá feia.

” Isso naturalmente não o impediu de colocar a cagada no ar. Afinal de contas, vai dar mais audiência ”

Digo isso com a consciência de quem nunca jogou o jogo bobo da celebridade. Não sou celebridade de nada, sou ator. Entendo que apareço na TV das pessoas e gosto quando alguém vem dizer que curte meu trabalho, assim como deve gostar o jornalista, o médico ou o carpinteiro que ouve um elogio. Gosto de ser conhecido pelo que faço, mas não suporto falta de educação. O preço da fama? Não engulo essa. Tive pai e mãe. Tinham pais esses paparazzi que mataram a princesa Diana? É jornalismo isso? Aliás, dá para ter respeito por um sujeito que fica escondido atrás de uma árvore para fotografar uma criança no parquinho? Dois deles perseguiram uma amiga atriz, grávida de oito meses, por dois quarteirões. Ela passou mal, e os caras continuaram fotografando. Perseguir uma grávida? Ah, mas tá reclamando de quê? Não é famoso? Então agüenta! O que que é isso, gente? Du Moscovis e Lázaro (Ramos) também já escreveram sobre o assunto, e eu acho que tem, sim, que haver alguma reação por parte dos que não estão a fim de alimentar essa palhaçada. Existe, sim, gente inteligente que não dá a mínima para as fofocas das revistas e as baixarias dos programas de TV. Existe, sim, gente que tem outros valores, como meus amigos do MHuD (Movimento Humanos Direitos), que estão preocupados é em combater o trabalho escravo, a prostituição infantil, a violência agrária, os grandes latifúndios, o aquecimento global e a corrupção. Fazer algo de útil com essa vida efêmera, sem nunca abrir mão do bom humor. Há, sim, gente que pensa diferente. E exigimos, no mínimo, não sermos melecados.

No dia seguinte, o rapaz do programa mandou um e-mail para o escritório que me agencia se desculpando por, segundo suas palavras, a “cagada” que havia feito. Isso naturalmente não o impediu de colocar a cagada no ar. Afinal de contas, vai dar mais audiência. E contra a audiência não há argumentos. Será?”

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Famílias dilaceradas


Famílias dilaceradas

Pai ou mãe que joga baixo para afastar o filho do ex-cônjuge pode 

perder a guarda da criança por "alienação parental"

Claudia Jordão Fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/1138_FAMILIAS+DILACERADAS
ComportamentoFamílias dilaceradas
Pai ou mãe que joga baixo para afastar o filho do ex-cônjuge pode perder a guarda da criança por "alienação parental"
Claudia Jordão
i76968.jpg
 
i76971.jpg

Fazia seis anos que Karla, de oito, não via o pai. Nem mesmo por foto. Sua irmã mais nova, Daniela, nem sequer o conhecia. Quando seus pais se separaram, ela ainda estava na barriga de sua mãe. Aquela noite de 1978, portanto, era muito especial para as duas irmãs. Sócrates havia deixado o Rio de Janeiro, onde morava, e desembarcado em São Luís do Maranhão, onde elas viviam com a mãe, para tentar uma reaproximação. “Minha mãe disse que nosso pai iria nos pegar para jantar”, conta Karla Mendes, hoje com 38 anos. As garotas, animadas e ansiosas, tomaram banho, se perfumaram e vestiram suas melhores roupas. “Acontece que meu pai nunca chegou, ficamos lá, horas e horas, até meia-noite”, diz. Enquanto as meninas tentavam superar a decepção, a mãe repetia sem parar: “Tá vendo? O pai de vocês não presta! Ele não dá a mínima!”
Naquele dia, Karla viveu sua primeira grande frustração. Mas o maior baque aconteceu 11 anos depois, quando recebeu uma ligação inesperada do pai, que até então estava sumido. Karla começou a entender que sua mãe havia armado contra todos naquela noite – e em outras incontáveis vezes. Ela descobriu que o pai esteve mesmo em São Luís. Para ele, minha mãe prometeu que iríamos à praia em sua companhia, mas sumiu com a gente quando ele passou para nos pegar. Para nós, inventou o jantar”, conta Karla. De tão desorientada com a descoberta, trancou a faculdade por um ano para digerir a história. “O mais difícil foi descobrir que meu pai não era um monstro”, diz Karla, que há 20 anos tem uma relação próxima com o pai, mas não fala com a mãe desde que descobriu que ela manipula da mesma forma seus dois outros filhos de outro casamento
.i76969.jpg
A história de Karla e sua família é tão triste quanto antiga e corriqueira. Pais e mães que mentem, caluniam e tramam com o objetivo de afastar o filho do ex-parceiro sempre existiram. A diferença é que, agora, há um termo que dá nome a essa prática: alienação parental. Cunhada em 1985, nos Estados Unidos, pelo psicanalista Richard Gardner, a expressão é comum nos consultórios de psicologia e psiquiatria e, há quatro anos, começou a aparecer em processos de disputa de guarda nos tribunais brasileiros. Inspirados em decisões tomadas nos EUA, advogados e juízes começam a usar o termo como argumento para regulamentar visitas e inverter guardas. “Se comprovada a alienação, através de documentos ou testemunhos, quem trama para afastar pai de filho está sujeito a sanções, como multa e perda de guarda”, diz a psicóloga e advogada Alexandra Ullmann. São as mesmas penalidades previstas no projeto de lei 4.053/2008 que tramita na Câmara e pune mães, pais e demais familiares alienadores – também sujeitos a processo criminal por abuso psicológico.
A alienação parental consiste em programar uma criança para que, depois da separação, odeie um dos pais. Geralmente é praticada por quem possui a guarda do filho. Para isso, a pessoa lança mão de artifícios baixos, como dificultar o contato da criança com o ex-parceiro, falar mal e contar mentiras. Em casos extremos, mas não tão raros, a criança é estimulada pelo guardião a acreditar que apanhou ou sofreu abuso sexual. “É a maneira mais rápida e eficiente de afastar a criança do ex-cônjugue”, diz a desembargadora aposentada Maria Berenice Dias, uma das maiores especialistas no assunto. “Afinal, que juiz vai correr o risco de, na dúvida, não interromper o contato da criança com o acusado?” Segundo ela, nesses casos, testes psicológicos mostram que não houve crime em 30% das vezes. A investigação é complexa e o processo lento por isso a criança permanece anos afastada do pai, tempo suficiente para que os vínculos sejam quebrados. “Quando há falsa acusação de abuso, a criança sofre tanto quanto se tivesse sofrido a violência de fato”, afirma a psicóloga Andreia Calçada, autora de livros sobre o tema.
O que motiva alguém a jogar baixo com o próprio filho? Na maioria dos casos, a pessoa não se conforma com o fim do casamento ou não aceita que o ex-cônjuge tenha outro parceiro. No Brasil, 90% dos filhos ficam com a mãe quando o casal se separa. Por isso, a prática é muito mais comum entre as mulheres. “Há diversos níveis de alienação, mas no afã de irritar o ex-marido, as mães não têm noção do mal que fazem aos filhos”, diz Andreia.
 i76970.jpg
“O guardião altera a percepção da criança porque ela sente que o pai gosta dela, mas a mãe só o critica, e isso pode desencadear crises de angústia, ansiedade e depressão.” Além disso, a criança cresce em uma bolha de mentiras, o que pode provocar desvios de caráter e conduta.
Crianças de até seis anos são mais suscetíveis a uma modalidade de alienação chamada “implantação de falsas memórias”. É quando o pai ou a mãe a manipula a ponto de acreditar que vivenciou algo que nunca ocorreu de fato. Os dois filhos do consultor empresarial Nilton Lima, 45 anos, foram estimulados pela mãe e pela avó materna a acreditar que haviam apanhado do pai na infância. Nilton e a mãe dos rapazes se separaram após dez anos de casamento. “Certo dia, meu filho mais velho me disse que eu já havia batido nele”, diz Nilton, pai de Anderson, 22 anos, e Bruno, 16. “Fiquei chocado”, diz. Com o tempo, os filhos perceberam a manipulação e ficaram contra a mãe. Esse “efeito bumerangue” é comum quando as crianças crescem e começam a entender o que ocorre ao redor delas. “Nesses casos, os filhos se viram contra quem fez a cabeça de les”, diz a advogada Sandra Vilela. Há quatro anos, depois de quase uma década de briga na Justiça, Nilton conseguiu a inversão de guarda dos filhos. Para isso, foi fundamental o desejo deles de ficar com o pai.
Mas nem sempre uma decisão judicial favorável é suficiente para remendar laços partidos. Pai de uma adolescente de 15 anos e um garoto de dez, o publicitário Paulo Martins, 45, se separou há cinco anos. E, desde então, luta para ficar mais tempo com os filhos, que, sob influência da mãe, já chegaram a ignorar suas ligações, recusar seus convites e mudam de comportamento quando estão na presença dos dois. “Sempre que vou deixar o meu filho em casa, ele muda comigo, percebo que ele não quer que eu o abrace para que a mãe não veja”, conta Martins.
Em 2005, ele entrou com uma ação de regulamentação de visitas, na tentativa de ampliar o tempo de convívio com os filhos. A decisão, favorável a ele, saiu recentemente. Mas a filha mais velha de Martins ainda se recusa a vê-lo. Em julho, Martins resolveu presenteá-la com uma festa de 15 anos, o que deixou a adolescente superanimada. Tudo quase pronto, a bomba: “A mãe dela disse que só iria se a minha mulher não fosse”, conta ele. “Minha filha pediu para eu não levála, mas não quis ceder.” A adolescente preferiu abrir mão da festa e desde então não fala com o pai. Quando um casamento chega ao fim, o ex-casal precisa ter claro que a separação é entre eles. Separar a criança do pai ou da mãe é puni-la por algo que ela não tem culpa. “Não existe filho triste de pais separados, existe filho triste de pais que brigam”, diz o advogado Rodrigo da Cunha Pereira.

domingo, 1 de abril de 2012

Lavagem cerebral

Ela é usada por militares, políticos, religiosos e gente querendo sua grana. Saiba como ela funciona e aprenda a blindar sua mente
por Barbara Axt

Em 1974, Patty Hearst, herdeira de um império de comunicação, morava na Califórnia, cursava faculdade e preparava seu casamento. Até que, numa bela noite, a patricinha foi sequestrada por um grupo paramilitar esquerdista chamado Exército Simbionês de Libertação e dois meses depois reapareceu, armada com um rifle e uniformizada, assaltando um banco ao lado do bando. Durante um ano e meio participou de várias ações, atacando mais dois bancos, roubando lojas e fugindo da polícia. Ninguém entendeu nada: o que transformou aquela garota rica de 19 anos em uma guerrilheira urbana? Quando finalmente foi capturada pela polícia, Patty explicou: tinha sido submetida a uma lavagem cerebral. Foram 57 dias trancada em um armário, sofrendo maus-tratos físicos e psicológicos. Teve gente que duvidou da explicação, achando que se tratava de desculpa esfarrapada. Mas, por outro lado, o que explicaria uma mudança tão radical?

Apesar de não existir consenso sobre até que ponto é possível substituir convicções e comportamentos, não faltam estudos sobre o processo de lavagem cerebral. O termo passou a ser usado no Ocidente durante a Guerra da Coreia (1950-53), para descrever o comportamento de soldados americanos que, após um período capturados, voltavam defendendo os ideais comunistas dos inimigos China e Coreia do Norte. Aparentemente, não era teatro. Os soldados tinham "virado a casaca", exibindo atitudes incompatíveis com as de antes.

Muitos daqueles prisioneiros haviam sofrido torturas físicas que tornaram sua mente vulnerável; com outros, o processo foi menos óbvio e mais sutil, envolvendo a vítima sem que ela se desse conta. Seja qual for a estratégia, é essencial o elemento-surpresa.

Isso porque somos programados para reagir imediatamente a estímulos intensos: quando um ladrão pula na sua frente ou um carro vai em sua direção, o cérebro não perde tempo com análises. O caso nem passa pelo córtex pré-frontal, responsável pelo raciocínio complexo; vai direto para áreas cerebrais menos evoluídas, que decidem rapidamente o que fazer. Ou seja, quem quiser provocar novas crenças e comportamentos em alguém precisa criar situações que exijam reações automáticas, pois nelas o processo consciente é desativado.

Não é força, é jeito
Existem duas maneiras de deixar o sujeito estressado, frágil, cansado e, consequentemente, mais aberto a novas ideias. A primeira é a lavagem cerebral forçada, em que isso é alcançado com tortura, privação de sono e jejum. O segundo método, mais comum, é o induzido, em que a vítima é envolvida em um "intensivão". Pessoas que se dizem manipuladas por igrejas e cultos religiosos descrevem um programa intenso de atividades, palestras, celebrações e tarefas como distribuir panfletos, limpar o chão, fazer comida. Imersa nessa rotina, que geralmente prevê poucas horas de sono, a vítima fica tão cansada que literalmente não tem tempo para pensar sobre o que está acontecendo.

É a mesma técnica, por exemplo, daquele vendedor tagarela que o deixa confuso e faz com que você compre uma coisa de que não precisa, só para se livrar do chato. Em alguns casos, antes de iniciar o processo a pessoa já está fragilizada por alguma outra situação. "O fim de um relacionamento, um divórcio, a morte de alguém querido, até se formar na escola ou mudar de emprego pode tornar uma pessoa vulnerável, uma vez que tira o indivíduo de seu equilíbrio", explica o psicólogo americano Steve Hassan, que passou 5 anos como membro do culto conhecido como Igreja da Unificação, dos seguidores do reverendo Moon - também conhecidos como moonies. Ainda ativa, inclusive no Brasil, a seita ficou famosa justamente por seus métodos de recrutamento e acusações de lavagem cerebral.

"Eu tinha me separado de uma garota e, pouco tempo depois, fui abordado por 3 mulheres. Elas não falaram que eram de uma religião, que acreditavam que o reverendo Moon era o Messias, nada disso. Só falaram que faziam parte de um grupo de amigos espalhado pelo mundo e me convidaram para ir a um jantar grátis", explica Hassan. "A partir daí, foi um processo gradual. Ir lá e conhecer os amigos delas foi um passo. Voltar e jantar, outro passo. Ir a uma palestra, voltar no dia seguinte, mais um passo. Durante esse tempo, eles perguntavam várias coisas bem detalhadas sobre mim, e eu dava, voluntariamente, informações muito pessoais, sem perceber que estava entregando as ferramentas para que me manipulassem." Hoje, Hassan faz palestras de conscientização e presta consultoria a pessoas em situação similar à por que ele passou.

Ele chama a atenção para o fato de que, quando esse processo começa, a vítima não fica sabendo para onde está sendo levada nem quais crenças e comportamentos vai adotar no final. Mas, para que essas novas convicções sejam estabelecidas, entra em ação a segunda arma usada para tirar o córtex pré-frontal do caminho: emoções fortes.

Emoção embutida
"Quando algo provoca uma reação emocional, o cérebro se mobiliza para lidar com ela, destinando poucos recursos a reflexões", explica Kathleen Taylor, neurologista da Universidade Oxford, em seu livro Brainswashing - The Science of Thought Control ("Lavagem Cerebral - A Ciência do Controle Mental", sem tradução para o português). É exatamente nessa hora que a emoção pode ser ligada a uma ideia.

Durante a Guerra Fria, por exemplo, tanto capitalistas quanto comunistas se valiam de uma paranoia intensa e generalizada para vender conceitos vagos, difíceis tanto de definir quanto de contestar - "liberdade," "Estado," "inimigo". São ideias fortes, amplas o suficiente para você associar às emoções que quiser e que forem mais convenientes à manipulação.

Por isso se diz que a ideia é "engatada" à sensação: sempre que aquele assunto vier à tona, a sensação vem a reboque, num processo conhecido como reflexo condicionado. É o que acontece em um culto daqueles bem intensos, em que a pessoa dança, canta, grita, inunda o corpo de endorfina. Inconscientemente, a sensação de bem-estar passa a ser associada àquela religião.

Outro exemplo: um prisioneiro de guerra, depois de enfrentar tortura e jejum, é levado para tomar banho quente e fazer uma refeição enquanto escuta alguém descrevendo as maravilhas da doutrina comunista. Com a repetição do método, ele inconscientemente passará a associar comunismo a bem-estar. Se você se lembrou do filme Laranja Mecânica (1971), clássico do diretor Stanley Kubrick, acertou na mosca.

Na história, o personagem principal é um adolescente ultraviolento que se diverte torturando e estuprando por aí. Após ser preso, ele se oferece para um tratamento experimental que promete torná-lo um ser totalmente desprovido de violência.

O tratamento consiste em submetê-lo a sensações físicas desagradáveis (náuseas muito intensas) e a imagens violentas ao mesmo tempo, forçando seu inconsciente a associar as duas coisas. No final, o personagem passa a sofrer sensações físicas insuportáveis toda vez que tem contato com ideias ou situações violentas. (O irônico efeito colateral é que o jovem também fica condicionado a vomitar quando ouve a 9ª Sinfonia de Beethoven, trilha sonora usada nos filmes da prisão.)

Esse processo não pode ser considerado lavagem cerebral, pois não muda as convicções do indivíduo. Mas é um exemplo extremo de como podemos ser condicionados a fazer relações inconscientes de sensações com ideias.


Sob controle
Conquistado, o "cerebralmente lavado" se torna cada vez mais envolvido e dependente. O psiquiatra americano Robert P. Lifton, professor de universidades como Harvard e Yale, analisou esse processo, que ele chama de Reforma do Pensamento, e descreveu suas principais características (ver quadro Lavagem em 8 Passos). Todas - contatos controlados, jargão específico, dogmas incontestáveis etc. - que buscam criar um antagonismo claro: um mundo dividido entre "nós" e "eles".

Segundo Hassan, a pessoa envolvida com esse tipo de grupo se vê aos poucos dominada por medos paralisantes que chegam ao ponto de impedir que ela questione a situação. "Os cultos de controle da mente passam a seus membros a sensação de que, se eles saírem do grupo, coisas terríveis vão acontecer. Para quem está observando de fora, parece que essas pessoas estão felizes. Acontece que, na verdade, elas são orientadas a sorrir o tempo todo. Não é uma experiência positiva perder seu livre-arbítrio, apagar sua identidade, viver com medo e com culpa."

Vítimas de controle da mente aprendem a reprimir pensamentos "errados", como dúvidas ou críticas ao grupo, e por isso é difícil que elas questionem sua situação. Quando lida com pessoas nesse estado, Steve Hassan costuma agir de forma indireta, perguntando, por exemplo, opiniões a respeito de outro grupo. Ele mesmo só saiu da Igreja da Unificação porque sofreu um acidente e teve que ser internado em um hospital. Seus pais aproveitaram a chance para fazer com que ele (contra sua vontade) conversasse com ex-membros do culto. "Aos poucos fui entendendo que tinha sido enganado", lembra.

Se a história de Hassan parece muito fora da sua realidade, há um exemplo mais próximo de como é possível modificar uma pessoa a ponto de fazê-la agir contra seus instintos e convicções. Kathleen Taylor cita um sistema capaz de "transformar cidadãos - ensinados desde a infância que matar é errado - em agentes capazes de matar": as Forças Armadas. O processo de formação militar segue quase à risca as etapas descritas no modelo de Lifton, empregando rotina exaustiva, pressão psicológica, regras e punições rígidas e, claro, definição de um inimigo. Isso chega ao extremo no treinamento de terroristas islâmicos, à la Al Qaeda, em que os ensinamentos militar e religioso se combinam para formar indivíduos dispostos a dar a vida em nome de uma causa.

Mas não são apenas grupos militares e religiosos que usam essas técnicas. "Alguns cultos de negócios são casos típicos de controle da mente", diz Hassan, se referindo àqueles esquemas com hierarquia em formato de pirâmide em que para crescer é preciso comprar uma série de produtos e convencer outras pessoas a participar. "As pessoas se envolvem achando que vão ficar ricas e muitas vezes acabam perdendo todo seu dinheiro e arruinando a própria família, sem conseguir se desvencilhar."

Para o psicólogo, embora o controle da mente seja geralmente realizado por grupos, ele também pode acontecer de forma individual. Ele compara relacionamentos amorosos abusivos, em que a pessoa, influenciada pelo parceiro, passa a ter atitudes incompatíveis com as anteriores. "Esses relacionamentos podem incluir drogas, agressões físicas e isolamento da família e dos amigos. Às vezes o apaixonado simplesmente desaparece sem dar notícias", diz Hassan.


Mente blindada
Para a escritora Kathleen Taylor, a principal arma para evitar manipulações é, basicamente, "parar e pensar nas coisas". Sem se deixar levar pela afobação, fica fácil resistir tanto ao discurso nacionalista de um político quanto ao papo emocional de um pregador religioso.

Segundo Denise Winn, autora do livro The Manipulated Mind ("A Mente Manipulada", sem versão brasileira), um olhar bem-humorado sobre as coisas é útil para escapar da associação emocional exagerada, peça-chave da lavagem cerebral. "O humor ajuda você a ter perspectiva e sacar quem não tem. Desconfie de líderes, vendedores e experts que não conseguem rir de si próprios", diz a jornalista.

Outro ponto importante é não subestimar a influência que o meio e a autoridade podem ter sobre nós, já medidos em experimentos clássicos de psicologia social. A necessidade de ser aceito em um grupo leva muitas vezes ao "efeito rebanho", identificado na década de 1950 pelo psicólogo americano Solomon Asch e muito antes por quem inventou a expressão "maria-vai-com-as-outras".

Asch fazia uma experiência bem simples: reunia um grupo de pessoas e mostrava a elas um cartão com uma série de linhas de comprimentos bem diferentes. Depois, fazia perguntas óbvias, como pedir que identificassem qual a linha mais longa. Todas as pessoas na sala, menos uma, tinham sido orientadas para escolher a mesma resposta - claramente errada. Surpreendentemente, 1 em cada 3 vítimas da "pegadinha" concordava com o grupo, mesmo sabendo que estava escolhendo a opção incorreta.

Em 1963, o psicólogo Stanley Milgram conduziu um experimento para medir autoridade. Universitários eram instruídos a aplicar choques elétricos cada vez mais fortes em um "voluntário" (na verdade um ator) toda vez que ele errasse a resposta a uma pergunta. O estudante era orientado por um pesquisador (outro ator), que dizia para que ele continuasse, independentemente do "sofrimento" da suposta cobaia - que, claro, estava apenas fingindo levar choques.

Quantas pessoas chegariam ao ponto de aplicar os choques poderosos, correndo o risco de matar o "voluntário"? Cerca de 1 ou 2%, imaginou Milgram. Resultado: dois terços dos estudantes levaram a experiência até o fim, obedecendo às ordens do "pesquisador" - a figura de autoridade prevista no esquema de lavagem cerebral de Lifton. O compromisso (a concordância em participar do experimento) aumentava gradualmente (choques cada vez mais fortes), envolvendo a vítima cada vez mais na situação, e tornando a saída (desistir e mandar o pesquisador para o inferno) cada vez mais difícil.

Outro fator que Kathleen Taylor cita em seu livro é que, quanto mais redes cognitivas o cérebro de uma pessoa tiver - mais associações, ideias, opiniões, informações, experiências -, menos manipulável ela se torna. Desenvolver a criatividade, pensar sobre a vida, questionar o que é escutado e lido, aprender coisas novas, estudar as relações entre assuntos aparentemente não relacionados, tudo isso deixa o cérebro mais resistente a manipulações. Isso não significa apenas resistir a casos extremos de controle da mente mas também enxergar com senso crítico o horário eleitoral, as conversas de bar, as mensagens publicitárias e, por que não, tudo o que sai na mídia.

Claro, isso não significa que você precisa ter um pé atrás com toda opinião que for diferente da sua. Ser persuadido e mudar de ideia não tem problema nenhum. "Nossa vida social está construída sobre ocontrole psicológico que as pessoas têm sobre as outras. A todo momento influências externas fazem com que mudemos nossa atitude, dos aspectos mais banais aos mais sérios", exemplifica o professor Cesar Ades, pesquisador do assunto na Universidade Católica de Goiânia. "Uma conversa com alguém que admiramos ou que tem autoridade sobre nós pode mudar de verdade nossas crenças."

O importante é saber que nossa mente não está pronta e acabada, mas permanentemente em obras. Entender que somos influenciáveis e que nossa identidade é mutante nos torna mais espertos para avaliar uma tentativa de persuasão - com o córtex pré-frontal, por favor.
Tribos e tribunais
Cada grupo tem sua técnica para recrutar e controlar os membros

Militares
A ideia de que existe um inimigo a ser derrotado (muitas vezes imaginário) e o respeito absoluto às ordens (muitas vezes absurdas) são incutidos em todo recruta desde o primeiro dia de treinamento.

Políticos
Populistas pegam um sentimento disseminado e intenso - "judeus são um vírus na Alemanha", "comunistas comem criancinhas" - para insuflar as massas e conquistar o poder.

Religiosos
O processo começa leve, quase recreativo, e vai aumentando de intensidade. No fim, você está convertido e dependente. Até pensamentos "errados" são passíveis de punição.

Picaretas
Nos "cultos de negócios" você é muito especial e fará parte do plano perfeito: quanto mais você compra, mais você vende e, em pouco tempo, todos estarão ricos. Quando a euforia passa, sobram só as dívidas.




Apr 29, '09 11:35 AM
para todos

Ela é usada por militares, políticos, religiosos e gente querendo $ua grana.

O psiquiatra americano Robert P. Lifton, professor de universidades como Harvard e Yale, analisou esse processo, que ele chama de Reforma de Pensamento, e descreveu suas principais característica.

Lavagem em 8 passos

Controle de pensamento: Não é permitido ler material ou falar com pessoas que tenham ideias contrárias às do grupo. Em alguns casos, a vítima é geograficamente isolada da família e dos amigos.

Hierarquia rígida: São criados modos uniformizados de agir e pensar, desenvolvidos para parecer espontâneos. A vítima é convencida da autoridade absoluta e do caráter especial - às vezes, sobrenatural - do líder.

Mundo dividido: O mundo é dividido entre "bons" (o grupo) e "maus" (todo o resto). Não existe meio termo. É preciso se policiar para agir de acordo com o padrão de comportamento "ideal".

Delação premiada: Qualquer atitude errada, ainda que cometida em pensamento, deve ser reportada ao líder. Também se deve delatar os erros alheios. Isso acaba com o senso de privacidade e fortalece o líder.

Verdade verdadeira: O grupo explica o mundo com regras próprias, vistas como cientificamente verdadeiras e inquestionáveis. A vítima acredita que sua doutrina é a única que oferece repostas válidas.

Código secreto: O grupo cria termos próprios para se referir à realidade, muitas vezes incompreensíveis para as pessoas de fora. Uma linguagem muito específica ajuda a controlar os pensamentos e as ideias.

Meu mundo e nada mais: O grupo passa a ser a coisa mais importante - se bobear, a única. Nenhum compromisso, plano ou sonho fora daquele ambiente é justificável.

Ninguém sai: A vítima se sente presa, pois não pode imaginar uma vida completa e feliz fora do grupo. Isso pode ser usado por políticos e militares para justificar execuções.

Os cultos de controle da mente passam a seus membros a sensação de que, se eles saírem do grupo, coisas terríveis vão acontecer. Para quem está observando de fora, parece que essas pessoas estão felizes. Acontece que, na verdade, elas são orientadas a sorrir o tempo todo. Não é uma experiência positiva perder seu livre-arbítrio, apagar sua identidade, viver com medo e com culpa.

Revista SuperInteressante. Março de 2009. Edição 263.OBS: o esquema do controle mental é utilizado por pessoas de má fé, para conseguir que outros sigam suas ordens e satisfaçam seus interesses, o que não se aplica a todas as religiões e sistemas de crença. Se você se irritou ao ler esse texto, pois achou de teor abusivo, acho que a "carapuça caiu"...

Lavagem em 8 passos
As principais características do controle da mente

Controle de pensamento
Não é permitido ler material ou falar com pessoas que tenham ideias contrárias às do grupo. Em alguns casos, a vítima é geograficamente isolada da família e dos amigos.

Hierarquia rígida
São criados modos uniformizados de agir e pensar, desenvolvidos para parecer espontâneos. A vítima é convencida da autoridade absoluta e do caráter especial - às vezes, sobrenatural - do líder.

Mundo dividido
O mundo é divido entre "bons" (o grupo) e "maus" (todo o resto). Não existe meio-termo. É preciso se policiar para agir de acordo com o padrão de comportamento "ideal".

Delação premiada
Qualquer atitude errada, ainda que cometida em pensamento, deve ser reportada ao líder. Também se deve delatar os erros alheios. Isso acaba com o senso de privacidade e fortalece o líder.

Verdade verdadeira
O grupo explica o mundo com regras próprias, vistas como cientificamente verdadeiras e inquestionáveis. A vítima acredita que sua doutrina é a única que oferece respostas válidas.

Código secreto
O grupo cria termos próprios para se referir à realidade, muitas vezes incompreensíveis para as pessoas de fora. Uma linguagem muito específica ajuda a controlar os pensamentos e as ideias.

Meu mundo e nada mais
O grupo passa a ser a coisa mais importante - se bobear, a única. Nenhum compromisso, plano ou sonho fora daquele ambiente é justificável.

Ninguém Sai
A vítima se sente presa, pois não pode imaginar uma vida completa e feliz fora do grupo. Isso pode ser usado por políticos e militares para justificar execuções.


Para saber mais

Brainswashing - The Science of Thought Control
Kathleen Taylor, Oxford University Press, 2006.




Fonte:http://super.abril.com.br/ciencia/lavagem-cerebral-616672.shtml

COMO TER UMA “MENTE BLINDADA” PARA NÃO SE TORNAR VÍTIMAS DESTES MÉTODOS

PARE E PENSE:

- Quem ganha, concretamente, com a minha submissão e obediência?
- Esta organização trabalha para que?
- Esta organização está sob as ordens de quem?
- Tenho amplo acesso às informações que busco ou esse acesso é negado?
- Existe um importante setor da organização que é secreto e misterioso, do qual você nada sabe de concreto?
- Tenho liberdade para fazer escolhas em todas as áreas importantes da vida? (escolha da profissão; escolha de quem namorar/casar; escolha do que vestir; escolha dos amigos).
- Tenho liberdade para pensar e questionar?
- Tenho liberdade para expressar opinião?
- Qual valor essa organização me dá? A estrutura organizacional permite que eu tenha individualidade ou sou apenas um número na multidão?
- O humor sobre a organização é permitido?
- Você pode sair da organização sem sofrer grave penalidade?